2 de ago de 2007

Arriscar vale a pena!

Uma amiga me contou uma história que aconteceu com ela, sinceramente, parece piada...

Tânia estava feliz da vida! Há quase uma década trabalhando em uma mesma empresa, na capital paulista, estava cansada da rotina diária, não via mais possibilidade de crescimento, o trabalho já não a estimulava mais, decidiu mudar sua rotina, buscar outros horizontes profissionais em uma nova oportunidade de emprego.

As vagas começaram a surgir, vieram as entrevistas, Tânia analisou as possibilidades, a estrutura das empresas e os benefícios oferecidos. Chegou à conclusão que seu desejo era mudar, ousar, arriscar, então, melhor mesmo era mudar de cidade e aceitou a proposta de uma empresa do interior.

Lá veio Tânia para Lima City, assumir uma posição bem estabelecida em uma companhia multinacional da promissora cidade. Porém, agora é que começa a comédia...

Antes de assumir seu posto de trabalho Tânia teria que passar por alguns exames médicos. Foi até a empresa, tomou um chá de cadeira básico e quando entrou na sala do médico iniciou-se o diálogo:

Doutor: - Tânia, então você está vindo de São Paulo?
Tânia: - Sim doutor. Sempre morei e trabalhei lá.
Doutor: - E porque você saiu do emprego, foi demitida?
Tânia: - Não. Eu pedi minha conta.
Doutor: - Mas por que você fez isso?
Tânia: - Ah doutor, eu estava na mesma empresa há quase dez anos, já estava desmotivada com o trabalho, queria algo novo pra minha carreira, ainda sou jovem e senti a necessidade de mudar. Agora estou super feliz, com novos projetos de vida, novo emprego, nova cidade...
Doutor: - Tânia, se eu fosse você, não deixaria seu emprego pra vir pra cá. Aqui existe uma forte pressão por trabalho, produtividade e resultado, os funcionários vivem estressados e doentes, além do mais, não é uma empresa muito segura, muitos entram e, dentro de poucos meses, são demitidos...

É claro que Tânia não desistiu do novo trabalho, mesmo porque já havia se demitido do emprego anterior, tinha alugado apartamento, sua vida já estava toda planejada com base no novo emprego.

O que eu achei hilário nessa história é como um profissional desestimulado, cansado de sua rotina de trabalho e totalmente afetado pelos vícios de uma carreira estagnada, pode conseguir infectar o ambiente de trabalho.

Imagine: você está cheio de projetos para sua nova fase, curtindo as possibilidades de vida, querendo iniciar seu novo trabalho, conhecer os novos colegas, e vem um cara, ou melhor, um médico do trabalho que iria fazer seu exame admissional, e lhe joga um balde de água fria... Não é cômico?!

Bom gente, o final da história é o seguinte: Tânia entrou na empresa, trabalhou pra caramba, se estressou como todos os funcionários e foi demitida após quase um ano de trabalho.

Aí você vai me questionar: Ah Sandra, mas então o médico estava certo, ele avisou à Tânia que a empresa não era legal e que isso poderia acontecer!

E eu respondo: “Sim ele avisou, porém, se ele considera que não vale mais a pena trabalhar nesta empresa, está insatisfeito, infeliz e não acredita em nada do que ela oferece, que tenha a coragem que a Tânia teve e busque mudanças pra sua vida profissional. Ouse, tente e arrisque. Tenho certeza de que, pelo menos, ele será muito mais feliz”.

E a Tânia?
Bom, ela me disse que deveria ter ouvido o médico! rsrs

3 comentários:

godoy disse...

Ola Sandra,

Concordo que a Tânia fez a melhor escolha, e que o doutor também devesse fazer o mesmo... ter a mesma coragem...

Pois o que a gente tem nesta vida é a liberdade de escolha. E as nossas escolhas é que definem o nosso futuro. Ou seja, não é somente destino.

Uma coisa que aprendi com a vida é que é pior se arrepender por não ter tentado, lutado por um ideal do que por tentado e falhado... E neste último caso, ainda que machucado, a gente sai pelo menos um pouco mais forte...

Quando você se preparava para o "Caminho do Sol", eu acompanhava distante o seu trabalho. Acredito que nesta fase você encontrou pessoas que te apoiaram, mas também pessoas que não acreditavam na sua capacidade... que talvez te achassem louca... "que isso? andar tantos dias?? trocar as férias para andar assim?? é perigoso! não vai conseguir.. é dificil... é loucura".
E na sua apresentação vi a sua força, determinação, e todo o seu trabalho... e qual foi o resultado de todo seu trabalho? Além da vivência, amizades, amadurecimento, de uma experiência única... a sua formação e o seu livro. Meus parabéns, você é um exemplo de pessoa.

Uma frase interessante da natura que vi: "Crer para ver" simples e profunda. Talvez possa ter vários significados diferentes, mas pelo meu entender significa que devemos agir, lutar pelos nossos ideais e sonhos para então torná-los realidade... algo do tipo, Eu acredito e por isso verei/farei... O oposto de "Ver para crer".

Essa história me fez lembrar uma estória:
Um homem tocava piano muito, mas muito, bem. E ao final de uma de suas apresentações uma mulher foi conversar com ele:
- Nossa o senhor toca muito bem.
- Muito obrigado.
- Eu daria a minha vida para poder tocar assim.
- Pois bem, foi exatamente isso que fiz...
Moral: O homem tocava bem, pois escolheu de dedicar a isso a vida inteira.

"A gente colhe o que planta."
"Arriscar vale a pena!"

Sandra Alves disse...

Olá Godoy!!!
Fiquei muito feliz com sua visita por aqui!
Que legal, você conseguiu interpretar exatamente o que escrevi, muitas vezes as pessoas estão infelizes com sua vida, não acreditam mais no que fazem, porém, paralisadas pelo medo, não conseguem sugerir mudanças pra sua vida, vivem frustadas e infelizes...
E quanto a minha experiência de peregrinação, realmente recebi muitos estímulos e alguns me tacharam de louca mesmo, mas saiba que às vezes, o maior inimigo para o nosso crescimento somos nós mesmos. Na fase de aceitação do projeto, eu ficava colocando alguns empecilhos e dificuldades, até que resolvi ouvir apenas meu lado que acredita, vai e faz, e o resultado você já conhece. :)
Muita obrigada!
Beijão

Mademoiselle Audrey disse...
Este comentário foi removido pelo autor.