4 de nov de 2007

O sabor de cada momento

Apressada e cheia de preocupações, logo na entrada do restaurante Eliana esbarra no garçom. Fecha os olhos, respira fundo para se recompor, escolhe sua mesa e senta para almoçar, desejando apreciar os poucos momentos de prazer.

Com a cabeça voltada à finalização de sua monografia, a quase recém formada em Direito não consegue se desligar de seu projeto de conclusão de curso. Alguns feriados prolongados estão por vir, as amigas provavelmente viajarão para a praia, a família está programando passar os dias na chácara e o pessoal do trabalho organizou um delicioso churrasco na piscina, e ela, se quiser obter seu canudo de formatura, deverá se dedicar exclusivamente à monografia, já que faltam apenas 20 dias para a apresentação do projeto na faculdade.

Para relaxar, Eliana procura se abster de qualquer pensamento que exija muito de sua capacidade intelectual, e tenta lembrar quem venceu o campeonato mundial de futebol de botão, em seguida sonha com uma viagem para a Grécia e se esforça para recordar a cor dos olhos de sua boneca de infância, Suzi, mas nada é suficientemente convincente para reter seus pensamentos, e logo estava ela pensando em sua monstruosa monografia, quando uma conversa na mesa ao lado lhe chama a atenção.

- O que? Passei? Meu Deus eu passei, não acredito!!!
Um jovem comemorava a notícia que acabara de receber pelo celular

Antenada na conversa, Eliana já vibrava à conquista do desconhecido, imaginando que o rapaz tivesse passado em algum concorrido concurso público e seria o mais novo Promotor de Justiça, ou quem sabe, um Juiz?

Surpresa, a futura advogada descobre que o jovem passou em um exame teórico para conseguir carteira de habilitação! Decepcionada, pensou que um exame teórico para carteira de motorista não merecia tanta empolgação.

Seus próprios pensamentos de desprezo em relação à experiência que o rapaz estava vivendo, a fizeram refletir logo em seguida:
- Que engraçado que é a vida. O orientador da minha monografia com certeza está achando que sou uma idiota em perder noites de sono apenas por um projetinho de conclusão de graduação, enquanto ele provavelmente está defendendo sua tese de pós-doutorado!

É pessoal, assim é a vida!
Vivemos valorizando nossos problemas, como se fossem os piores possíveis e credenciamos a eles as mais complexas resoluções. Quanto aos problemas dos outros, sempre têm uma carga menor e poderiam ser solucionados apenas com um jeito diferente de ação e reação.

Esquecemos que na vida, cada fase tem um grau de importância, um sabor, uma comemoração própria e valores distintos, claro que tudo isso varia bastante, de acordo com a intensidade de cada pessoa, mas todas as situações merecem ser vividas e resolvidas com dedicação, serenidade e amor!

2 comentários:

Juliana disse...

Caiu como uma luva Sandra, as monografias da vida...quem dera fossem somente "monografias na vida".

Lara disse...

Sandrinha é realmente fato, precisamos valorizar as coisas boas e não nossos problemas, ficou ótimo, bjos